R. Maracajú, 1148 - Centro 0800-605-6040 Técnico Responsável: Dr. Paulo Cury | CRM-MS 1522

Blog

No estômago ou intestino, detecção de lesões precoces é o melhor caminho para se evitar um câncer

Matérias | 06.out.2016



Um dos focos de atenção principal do médico gastroenterologia Marcelo Cury é a área de prevenção ao câncer de intestino e estômago. Estudioso do tema, Dr. Marcelo explica a diferença de cada um deles e o trabalho que a Clínica Scope tem feito: de priorizar a detecção precoce das lesões.

Mas o que é um câncer?

Dr. Marcelo explica que as causas são multifatoriais e o mecanismo que leva o paciente a ter a doença é muito complexo. “Cada célula tem um gene que manda ela se reproduzir e mais de um gene que controla essa reprodução. Para virar um câncer, tem que ter falha em vários desses mecanismos celulares”.

Um processo inflamatório crônico, por exemplo, que a vida inteira está ali incomodando pode, dependendo da tendência genética e do estilo de alimentação do paciente, apresentar uma falha que pode vir a se tornar um câncer.

Como detectar?

O câncer de intestino apresenta sinais, chamados marcadores, que são vistos mais facilmente nos exames. Os ‘pólipos’ que seriam quase como verrugas, quando benignos, são retirados e previne o paciente de desenvolver a doença.

Ao contrário do câncer do intestino, o de estômago ainda não tem marcador e acaba, infelizmente, sendo detectado quando já está avançado.

“Nossa missão é de detectar antes de avançar, quando está em fase inicial e aí a chance de cura beira 100%”, afirma o médico. E a forma de detectá-los é através dos exames de endoscopia.

“O paciente tem que se consultar para avaliarmos a necessidade do exame. O melhor para o estômago é a Endoscopia Digestiva Alta”, explica.

Já para o de intestino, o exame indicado é a colonoscopia. “Se examina com aparelho flexível, diferente da endoscopia, mas tem os mesmos princípios”, compara.

Incidência:

O câncer tanto de intestino quanto de estômago ainda atinge mais homens e com idade mais avançada.

“O de estômago era um dos mais prevalecentes em todo mundo, por conta de fatores genéticos e do ambiente. Com a evolução da sociedade, houve a diminuição da incidência. Nós, enquanto Brasil, ainda estamos vivendo uma situação intermediária”, avalia Dr. Marcelo.

Prevenção:

De uma forma simples e objetiva, Dr. Marcelo explica que sempre ouve pacientes perguntarem: ‘que dieta devo fazer’? Mas corrige e sugere a troca da “dieta” pelo estilo de vida saudável.

“O que é o estilo de vida saudável? Praticar exercícios, ter uma alimentação saudável e fracionada, aumentar a quantidade de produtos in natura e diminuir o consumo de alimentos processados. Isso certamente vai melhorar e diminuir a incidência dessas doenças”, frisa.

Na Scope, a primeira ação tomada foi de melhorar a qualidade usada nos aparelhos, todos eles em alta resolução. “Fazemos treinamentos periódicos de toda equipe para não deixar passar as lesões iniciais, que às vezes são difíceis de ver”.

 

A cada semana, o blog vai trazer a entrevista com um dos profissionais do quadro clínico. Tem alguma sugestão de assunto? Mande para a gente: contato@clinicascope.com.br

Doutor em Endoscopia Digestiva e Gastroenterologia pela UNIFESP, pós doutorado BIDMC/ Harvard Medical School; membro da Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva pela SOBED e sociedade americana de endoscopia digestiva – ASGE, Marcelo de Souza Cury é um dos médicos gastroenterologistas e endoscopistas do quadro da Clínica Scope.

Doutor em Endoscopia Digestiva e Gastroenterologia pela UNIFESP, pós doutorado BIDMC/ Harvard Medical School; membro da Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva pela SOBED e sociedade americana de endoscopia digestiva – ASGE, Marcelo de Souza Cury é um dos médicos gastroenterologistas e endoscopistas do quadro da Clínica Scope.






Comente